NK | Escritório de contabilidade SP

Governo pode baixar IR de mais aplicações financeiras

NK Contabilidade

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Pacote beneficiaria quem investe em fundos imobiliários, FIDC e ETF

Por Diego Lazzaris Borges • João Sandrini

 

SÃO PAULO – O governo federal estuda uma série de medidas tributárias para reduzir os impostos sobre as aplicações financeiras, beneficiando produtos como os fundos imobiliários, os fundos de investimento em direitos creditórios (FIDCs) e os ETFs (fundos de investimentos com quotas negociadas em bolsa de valores).

 

Segundo apurou o InfoMoney, representantes do mercado financeiro solicitaram a redução da alíquota de Imposto de Renda cobrado das aplicações em fundos imobiliários com quotas negociadas na BM&FBovespa. Hoje os dividendos mensais distribuídos por esses fundos já são isentos de impostos para pessoas físicas, mas sobre o ganho de capital na negociação de quotas incide uma alíquota de 20%.

 

O mercado pede que o IR seja reduzido para 15% – alíquota igual à da maioria das transações com ações e incidente também sobre a valorização dos imóveis físicos no momento da venda. Outro pleito é isentar o investidor do pagamento de IR sempre que ele vender menos de R$ 20 mil em quotas de fundos em um único mês – a mesma regra é válida hoje para as ações negociadas na BM&FBovespa.

 

“Existe alguma demanda no sentido de equiparar com as ações não apenas na alíquota (de 20% para 15%) como na possibilidade de isentar vendas de até R$ 20 mil”, disse o advogado especialista em fundos imobiliários Arthur Vieira de Moraes.

 

O gestor de um grande fundo imobiliário, que preferiu não se identificar, confirmou as negociações. “Existe sim essa conversa junto à CVM e aos órgãos do governo federal. Hoje os fundos imobiliários são tributados de maneira diferente do mercado acionário, mas eles têm o mesmo risco de uma ação, apesar de oscilarem um pouco menos. Daí vem o pedido de equiparação das alíquotas”, disse.

 

O fundador do site Fundo Imobiliário, Sérgio Belleza, afirma que a tributação atual dos fundos imobiliários já é benéfica para o investidor, mas ainda pode melhorar. “Só nos falta baixar o IR de ganho de capital de 20% pra 15%”, pontuou.

 

ETFs de fundos imobiliários

 

Outro ponto que está sendo discutido com o Governo é a criação de ETFs de fundos imobiliários e a possibilidade de aplicar uma tributação diferente. “A discussão está em andamento. Existem questões que precisam ser trabalhadas para o lançamento de um ETF de fundos imobiliários, mas é algo que já está no radar da BM&FBovespa para ser criado”, disse o gerente de produtos da Bovespa, Paulo Cirulli, durante o lançamento do IFIX (Índice de Fundos Imobiliários) na última segunda-feira (3). Esse mesmo índice poderia servir de parâmetro para a montagem do ETF.

 

Como os rendimentos pagos pelos fundos imobiliários são isentos de imposto de renda (mas os ETFs, não), o executivo disse que é preciso analisar esta possibilidade de isenção também para um possível ETF de fundos imobiliários. “Essa discussão está na mesa e é extremamente favorável para o investidor. Se isso for conseguido, é o ideal. [Já conversamos com] a CVM, a Receita Federal, abrindo esses fóruns de discussões”, afirmou.

 

A mudança exigiria outras alterações legais. Hoje a CVM só permite o lançamento de ETFs de ações. Segundo gestores de fundos com quotas negociadas em bolsa, o ideal seria permitir a criação de ETFs de renda fixa e de fundos imobiliários.

 

Um dos entraves é que a lei não permite a criação de produtos sintéticos, como nos Estados Unidos. Então um ETF que segue o Ibovespa, por exemplo, é montado com a compra proporcional de todos os papéis que compõem o índice. O mercado gostaria que um ativo sintético que seguisse rigorosamente o Ibovespa já fosse suficiente para lastrear o ETF, facilitando a gestão .

 

FIDC

 

Em entrevista ao jornal Valor publicada nesta terça-feira (leia aqui) , o secretário-executivo do Ministério da Fazenda, Nelson Barbosa, disse que uma das medidas em estudo pelo governo dentro da proposta de desonerar aplicações financeiras de longo prazo é conceder a isenção para Fundos de Investimento em Direitos Creditórios (FIDC) de obras de infraestrutura.

 

Hoje algumas debêntures de infraestrutura já contam com essa isenção. A mudança equipararia as isenções para investimentos em infraestrutura por meio de debêntures ou de FIDCs. Com a mudança, o governo acreditaria que haveria mais dinheiro para desatar o nó da infraestrutura no Brasil. Já os investidores poderia ter um rendimento líquido maior, compensando a queda dos juros.

 

Fonte: Infomoney